Conrado Adolpho

Em 93, eu entrei no ITA. Depois de 3 anos de cursinho estudando de maneira violenta, finalmente realizei meu sonho. Mas não demorou muito para eu descobrir que tinha cometido um erro. Logo no 2º ano fui trancado e, no ano seguinte, resolvi chutar o balde e abandonar tudo no final de 95 (3 anos de cursinho para estudar 3 anos na faculdade. Essa conta nunca fechou direito na minha cabeça). Mas isso todo mundo sabe, pois já contei em inúmeros podcasts. O que você Continue lendo

Quer saber de verdade que tipo de pessoa é seu sócio? Quer saber em quem confiar na hora do aperto? Há duas maneiras, mas antes eu quero te mostrar um vídeo em que eu falei sobre isso no jantar do meu curso de “Agência de Lançamentos”. Veja: Dando continuidade ao post, a primeira maneira é dar poder para as pessoas. Fique pobre e comece a pedir por ajuda. Fique doente e comece a pedir para cuidarem de você. Precise verdadeiramente dos outros. Quando as pessoas Continue lendo

Estar na casa da minha mãe me faz encontrar minha infância. Esses eram os 3 brinquedos que eu brincava quando tinha uns 5 anos de idade (!). Diretamente do túnel do tempo… Da esquerda para a direita, apresento-lhe: “Dalila“, bombeirinho e “Tauguinho” , meus primeiros amiguinhos É engraçado como na faixa dos 40 anos começamos a repensar toda a vida e entender melhor qual nosso papel no mundo. Qual nossa missão. O que viemos de fato fazer aqui. Nosso primeiro movimento é buscar pelas origens. Continue lendo

A pergunta que eu sempre faço para as pessoas que me contam como tem sido sua vida sem propósito, sem perspectiva, é: o que te falta para começar o seu próprio negócio? Tem algo que te impede? Tem algo que te trava? Tem algo que não te deixa ir em frente? Se a sua resposta é sim, saiba que objeções desse tipo estão presentes na mente de diversas pessoas. Confesso, não é fácil se enfiar dentro de uma jornada empreendedora – eu já estou nessa Continue lendo

Esse mundo virtual, algumas vezes, é bem estranho. Se você não se policiar perde o fator humano. O calor que faz com que nos percebamos parte da mesma espécie. O monitor distancia e cria um autismo digital em que nos remete a falsa percepção de que nosso mundo nos basta. Schopenhauer tem uma frase que gosto muito e termino todas as minhas palestras com ela: “Todo homem toma os limites de seu próprio campo de visão como os limites do mundo”. Lembre-se sempre dessa frase Continue lendo