Como está a sua empresa?

Provavelmente você nunca parou para pensar em como está a saúde da sua empresa. Quando a conta não fecha no final do mês e o salário dos seus colaboradores começa a atrasar, você começa a atirar para todos os lados e tentar achar alguma solução.

Baratear o seu produto ou serviço, fazer um corte drástico no seu quadro e até mesmo terceirizar trabalhos que você tinha o controle.

Bom, algumas dessas opções fazem parte de uma readequação ao nosso cenário econômico, mas você já parou para pensar que nem sempre essa é a solução e que o que você está enfrentando hoje é apenas um reflexo de uma má gestão lá no passado?

O encanto com o empreendedorismo…

Nos dias de hoje, o empreendedorismo tem sido a menina dos olhos de muitas pessoas que estão descontentes com o atual ramo de trabalho. Conheço pessoas, dentro do meu ecossistema, que largaram uma carreira consistente em uma determinada área e entraram para o universo do empreendedorismo.

Quebrar a cara nas primeiras tentativas é algo quase que normal e não ter o apoio necessário de pessoas próximas a você também é algo que acontece com certa frequência. Definitivamente a jornada empreendedora não é algo tão encantador quanto se parece.

Muitas vezes o que te falta é conhecimento, você não sabe como o mundo realmente funciona, ou melhor, você não sabe como é o jogo por trás do jogo. E isso não é um problema exatamente tão grande para você neste momento.

Você está completamente encantado sobre como o mundo do empreendedorismo pode ser benéfico para você, já que “ter dor de cabeça com algo que é seu” vale muito a pena. Esse tipo de opinião, ou melhor, crença, te faz pensar que montar um negócio, investir todas as suas economias e mudar completamente o seu estilo de vida pode ser algo incrível.

Eu estou nessa jornada já tem 20 anos…

Eu abri meu primeiro negócio em 1996, era um cursinho pré-vestibular. Como já mencionei aqui, foi uma época em que eu me sentia a maior pessoa do mundo.

Tinha um sentimento de grandeza dentro de mim, tinha muito orgulho de tudo o que estava acontecendo e andava por aí com o peito estufado, em uma posição em que quem me olhasse, diria: “esse cara está cheio de si” – tenho um artigo que conto de forma bem crua sobre toda essa situação, caso queira ler, basta clicar aqui.

Após algumas tentativas, onde não consegui identificar onde realmente estava o problema, eu quebrei. Quebrei de forma miserável, onde trouxe comigo uma dívida exorbitante – que foi paga depois de dar muitas aulas particulares.

Não foi apenas em 1996 que eu fali, tive mais uma, porém dessa vez já tinha aprendido muito o que tinha me acontecido. Ao montar a Publiweb, a minha agência de marketing digital – quando poucos sabiam do que se tratava -, eu comecei a enxergar um novo mundo no empreendedorismo, mas nem assim eu consegui me safar de mais uma falência.

Dessa vez foi menor e consegui me livrar das dívidas de forma mais consciente. Hoje eu sei como o mercado e cenário econômico pode ser cruel, e aprendi a como avaliar a saúde da minha empresa.

No meu Programa de Mentoria eu ajudo a diversos empreendedores a enxergar esses problemas dentro dos seus negócios/empresas. Eles passam dois dias comigo, dentro da minha própria empresa, e eu vou avaliando cada ponto do produto/serviço e vou tentando entender como a saúde daquela empresa está.

Vou incomodando a pessoa a ponto de ela compreender com “ter o próprio negócio” ou “ser um empresário” não é apenas um status para falar de boca cheia, tudo isso é sobre responsabilidade e comprometimento. Com você e com o próximo.

Como montar um negócio que me dê retorno financeiro em pouco tempo?

Não há uma fórmula mágica que te ensine a como fazer esse tipo de coisa, pois se tivéssemos, o empreendedorismo não seria responsável por grande parte do nosso altíssimo nível de inadimplência com os fundos de crédito e investimentos.

O ponto inicial de tudo é que você busque conhecimento, pesquise sobre o cenário econômico do negócio que você pretende montar, entenda sobre quais são os riscos e as ameaças, os benefícios e os pontos positivos do produto, converse com outros empresários do ramo, troque ideias e ouça, de forma atenciosa, o que os grandes empresários tem a dizer.

Grande abraço!