O ano era 1996

Eu estava montando o meu cursinho pré-vestibular. A esperança de criar o melhor cursinho do país, a melhor escola, a melhor faculdade. Sonhos grandiosos.

Essa foto mostra um garoto de 23 anos, negro, que veio de uma infância pobre e cheio de energia…e com praticamente todos a minha volta falando que eu não ia conseguir…rs….eles não tinham a mínima ideia da quantidade de força que tem aqui dentro.

O computador tinha sido comprado em umas 24 prestações. Os alunos viriam de cartazes colados em postes em toda a cidade de Campinas (que eu mesmo colava junto com meu sócio de madrugada pelas ruas).

O garoto negro e esperançoso dessa foto mal sabia que apenas 3 anos depois o cursinho viria a quebrar, eu seria considerado um mau caráter por não ter tido dinheiro para honrar minhas dívidas naquele momento, 2 anos de depressão e muita bebida para me dopar para a realidade que parecia tão cruel.

O fundo do poço apenas 3 anos depois dessa foto tão feliz. Durante dois anos, após a falência, a minha vitimização não me deixava sair daquela situação. Até que fui ajudado por uma amiga a me levantar. E a partir daí não parei mais.

21 anos depois dessa foto, estou aqui escrevendo esse post em um belo lugar, muito bem acompanhado e tão feliz e esperançoso quanto estava nessa foto. E com a mesma força de sempre para criar coisas grandiosas.

Muita luta todo dia. Mas muitas alegrias também. A vida é feita desses dois ingredientes.

Nesse dia da consciência negra eu realmente gostaria que todos os negros desse país soubessem que a vitimização só vai atrasar o seu sucesso. Se inspire em uma história de superação que esse garoto negro da foto aprendeu com sua mãe: “nunca desista”.

Nunca desista. A vida é justa. O que os outros dizem sobre você diz mais respeito a eles do que a seu respeito. Continue em frente com honra e integridade. Não deixe que a bebida ou a vitimização tirem você do caminho glorioso que você tem pela frente.

NUNCA, nunca mesmo, nunca desista.