Por que a análise SWOT é importante para minha empresa?

Não é segredo para ninguém que, cada vez mais, as empresas precisam otimizar seus recursos para compor uma gestão eficiente e, assim, aumentar o faturamento, não é mesmo? Você sabia que a análise SWOT pode contribuir significativamente para isso?

O planejamento estratégico de uma empresa é primordial para encontrar os fatores que serão determinantes para a melhora financeira. Mas, para isso, é interessante fazer alguns diagnósticos para saber as ações a serem tomadas no dia a dia do negócio.

Neste post, trouxemos um miniguia em que você entenderá melhor o conceito da análise SWOT, o porquê de ela ser importante e como pode ser realizada. Confira!

Afinal, o que é a análise SWOT?

Basicamente, o propósito dessa ferramenta de trabalho é analisar os principais fatores que interferem no microambiente e no macroambiente. Em outras palavras, é o que serve para nortear possíveis ações dos gestores e fazer com que realizem um diagnóstico completo sobre a empresa.

A fama da criação da análise SWOT é creditada ao consultor de negócios Albert Humphrey, que encabeçou uma série de estudos nas 500 maiores organizações norte-americanas na década de 1960. Sem sombra de dúvidas, podemos considerar essa ferramenta de gestão como um dos conceitos clássicos da Administração.

Todavia, embora o nome lembre um certo departamento de polícia norte-americano, o conceito de análise SWOT tem um sentido bem diferente. A sigla vem do inglês e corresponde a quatro termos essenciais para qualquer plano de negócios:

Strengths (forças)

De maneira geral, as forças representam possíveis características que podem colocar o seu negócio à frente da concorrência, ou seja, o que você tem de melhor a oferecer para as pessoas interessadas no negócio, como uma excelente localização, prestígio de mercado, recursos humanos e tecnológicos de primeira e assim por diante.

Weaknesses (fraquezas)

Em contrapartida, as fraquezas são as características que desfavorecem as empresas, sendo que é imprescindível observá-las e corrigi-las a tempo para evitar grandes prejuízos. As dificuldades de logística ou um maquinário desatualizado com os padrões de mercado podem significar ótimos exemplos de fraquezas.

Opportunities (oportunidades)

Em relação às oportunidades de negócio, entende-se por algo que está ligado ao ambiente externo e que pode facilitar as coisas para a empresa. Para se ter uma ideia, os eventos de grande público, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas, por exemplo, são de extrema utilidade para serviços de hotelaria.

Threats (ameaças)

Quando se trata das ameaças, obviamente que são todos os elementos que podem criar um ambiente desfavorável para os negócios e fazem com que as estratégias fiquem comprometidas ao decorrer do tempo. A alta do dólar é um excelente exemplo de ameaça, afinal, pode influenciar diretamente na confiança de investidores e no volume de exportações.

Por que essa metodologia é importante para as empresas?

Vamos imaginar que você queira explorar novos mercados ou lançar um produto com uma matriz tecnológica inovadora. Para dar esse passo a mais na empresa, naturalmente, é preciso conhecer profundamente o caminho que está percorrendo e os possíveis riscos que podem surgir e atravancar o sucesso do negócio.

Sendo assim, a análise SWOT cai como uma luva nas pretensões das empresas, visto que é uma metodologia que proporciona segurança na tomada de decisão e embasa as possíveis ações a serem implementadas. Antecipar-se a um cenário negativo faz com que o planejamento seja mais bem estruturado, tenha um preparo melhor para alcançar os resultados esperados e ainda possa oferecer alternativas mais contundentes.

No entanto, se você tem o desejo de impulsionar o nome da marca e gerar autoridade no nicho em que atua, esse diagnóstico precisa ser feito continuamente, pois as ações de marketing vão variar conforme a receptividade do público. Em tempos de crise, a observação de fatores externos e internos faz a diferença para desenvolver uma política confiável na organização e aprumar o clima organizacional.

Quando bem-feita, a análise SWOT pode indicar dados relevantes ao negócio e dar um feedback do que precisa ser mantido, melhorado ou retirado da empresa. A melhoria dos processos internos, por exemplo, permite que a organização cresça gradativamente e ocupe uma fatia de mercado considerável com o tempo.

Se analisarmos mais a fundo, as forças, as fraquezas, as oportunidades e as ameaças podem mexer também com os recursos financeiros da organização. Quando o cenário é ruim, as ações tendem a ser conservadoras, mas se há um ambiente positivo, torna-se natural o investimento em diversas áreas para potencializar os produtos ou serviços disponíveis.

O que é preciso para aplicar esse conceito na prática?

Antes mesmo de qualquer diagnóstico, quem deseja começar a empreender de verdade precisa ter atenção aos fatores internos e externos. No que se refere ao lado interno da empresa ou ao microambiente, temos aspectos importantes, como os clientes, os fornecedores, as entidades de classe e, principalmente, a concorrência.

Geralmente, os fatores internos podem ser controlados pelas organizações, mas requerem cuidado para que o poder de barganha não sofra alterações consideráveis. Já em relação aos fatores externos, você não tem como ter controle, pois estão além das decisões dos gestores, visto que correspondem às decisões políticas, à economia, aos resultados ambientais, entre outros pontos relevantes do macroambiente.

Ter conhecimento do que acontece dentro e fora da empresa é essencial para avaliar o impacto das ações da organização no mercado e o que pode interferir no seu planejamento de metas. Com isso, para que tenha uma noção melhor do assunto, preparamos alguns passos para realizar a análise SWOT sem dificuldades:

Defina as forças e as fraquezas do seu negócio

Assim como acontece em relação ao marketing pessoal, precisamos conhecer a nós mesmos para podermos almejar quaisquer resultados. Por isso, observe quais são as atividades que a empresa realiza melhor, os recursos que ganham destaque, quais as possíveis lacunas no processo, as barreiras de preço, o comprometimento da equipe e se o engajamento tem sido satisfatório com os clientes.

Identifique possíveis oportunidades e ameaças

É importante se informar constantemente e pesquisar quais os ventos que podem influenciar a sua navegação nos mares do sucesso. Para tanto, observe as questões políticas, econômicas e sociais, a fim de se antecipar a possíveis questões polêmicas e decisões que podem comprometer os ativos da empresa.

Monte uma matriz e coloque os dados obtidos

Depois que você enumerar todos os dados, monte uma tabela com quatro quadros e posicione as informações obtidas em cada espaço específico. De preferência, deixe os fatores internos na linha de cima, e os externos, na de baixo, sendo que os pontos positivos estarão na primeira coluna, e os negativos, na segunda.

Faça as correlações entre os fatores internos e externos

Feita a matriz SWOT, torna-se primordial estabelecer as correlações entre os quadrantes para identificar o que pode virar uma vantagem competitiva em longo prazo. Perceba quais são as forças que potencializam as oportunidades e que inibem as ameaças, mas não deixe de reparar as fraquezas que prejudicam as oportunidades e que podem maximizar as ameaças.

Para concluirmos, se pretende ter um embasamento ainda mais completo, você pode mesclar os resultados da análise SWOT com outras ferramentas para ajudar a avaliar o mercado. Com isso, as chances de deslanchar e ter uma gestão de qualidade serão consideráveis.

Gostou deste artigo a respeito da análise SWOT? Então, compartilhe o post em suas redes sociais para que os seus amigos fiquem por dentro do tema também!