• Sergio Santos

    Muito bom este post. Parabens!

  • http://psndesign.com.br Priscylla

    Gostei bastante do Post! Parabéns!!

  • http://www.estrategiadigital.com.br Rodrigo Sampaio

    De um lado, o post faz uma sombria e dolorosa caracterização do nosso dia dia. Do outro lado, mostra que não estamos sós.

    Show…mais uma vez conrado!

  • Luiz Carlos Pestilho

    Ótimo post. Valeu a pena o convite que recebi por e-mail. Abraços Conrado

  • Lorran Felix

    É exatamente isso ai Conrado, você sintetizou bem nossa realidade..

  • http://www.redlinemg.com Lucas

    Brilhante texto. Só alguém que já teve uma agência como você, para poder relatar com tanta riqueza de detalhes os problemas vivenciados dia a dia por quem se arrisca em “fazer sites”.

  • Luiz Carlos Pestilho

    Como disse nosso amigo Rodrigo, é bom saber que não estamos sós…rsrs

  • http://www.alpesestudio.com.br Maicon

    Parabéns Conrado, excelente post! Concordo com você pois me identifico com muitas situações.

  • Maylton Braga

    Gostei muito do post Conrado, vou abrir em breve uma agencia Digital e sei das dificuldades pelo caminho e este post abriu ainda mais a mina mente.

  • joe

    Fantástico Conrado,,, terrivelmente REAL…
    Abraços

  • http://www.sezim.pt António Mesquita

    É igual em Portugal. Gostei muito do seu Post. Obg.

  • Vanessa

    Esse com certeza, foi um dos melhores posts que li ultimamente!! Clientes que não entendem o que vendemos e não dão o devido valor a algo que dá muito trabalho a fazer… é um dos piores problemas enfrentados para as agências digitais na minha opinião. Temos muito ainda pela frente!!!

  • http://www.e-planner.com.br Henrique

    Conrado parabéns pelo seu post, tudo que foi dito é a mais pura realidade…

  • http://cursodemartelinhosp.com.br wilson roberto zimmermann

    No meu caso gostaria de ter a agencia para basicamente atender as necessidades

    dos meus alunos, de forma padronizada e simplificada, começando por um site

    padrão e assim sucessivamente. O desafio é um aprendizado constante.

    Caro Conrado, ” Um elefante se come por bocadas e de preferência saboreando cada pedaço.

    wilson roberti zimmermann

  • http://www.mxdinfo.com.br Diego Schiavenin

    Belo post, adorei a parte do “eugência” e “doisgência”… hehehe… isso existe muito no mercado… o bom é que esses: “eugência” e “doisgência” abrem bastante o mercado, eles pegam normalmente as empresas que são médias/pequenas e/ou com a cabeça fechada, e colocam nelas a idéia de site/marketing digital, fazem eles criarem interesse na coisa…

  • Felipe

    Parabéns pelo post. Muito bacana e nos faz revisar muitos problemas pelos quais já passamos.
    Um dos grandes obstáculos que enfrento hoje é a questão “quanto cobrar?” ainda mais que por enquanto faço freelas e não tenho a “real” agência aberta.
    Já pensei em colocar “preços” nos mais váriados leads, por exemplo, um lead físico é x e um jurídico é y mas é muito complicado e sem dúvida afeta diretamente meu trabalho.

    Conrado, você teria dicas para o temido “quanto cobrar?”

  • Rennato Batisteli Pinto

    Obrigado Conrado.
    Estou a iniciar minha agência digital. Tenho 56, sou formado e trabalho na área de marketing há 28 anos. Desde antanho que estou sentado à frente dessa maquina fabulosa e dessa janela, que segundo minha mãe, é uma benção. Já tinha um diagnóstico parecido mas estou animado para enfrentar o desafio. Que venham os desafios pois é disso que a vida se nutre.

  • http://tiagosarno.wordpress.com Tiago Rocha Sarno

    Creio que após nossos governos terem rebaixado a curva de aprendizado do ensino no país, de forma a facilitar a entrada e conclusão nas universidades, terminar o colegial e o surgimento dos cursos técnicos e tecnólogos. Não que seja uma perseguição aos técnicos, conheço muitos técnicos excelentes e eles cobram o que realmente vale um projeto. Mas tudo isso abriu portas para o surgimento de diversas instituições que fazem com que um técnico recém formado concorra de igual pra igual com engenheiros e ciêntistas da computação. Profissionais que foram ensinados a pensar de forma mais conceitual e menos ferramenteira. A prostituição do mercado veio daí, pra não perder pros que tinham maior know how, prostituiram o preço e a qualidade dos serviços. Mas vejo que o cenário começa a mudar, o pessoal está se profissionalizando mais e enxergando o real valor do que fazem. Não sei se estou certo, até o momento é minha opinião.

  • http://www.eaglexmarketingdigital.com.br Leandro Munhoz

    É Conrado, concordo e assino em baixo!

    Administração é TUDO e, principalmente, nas pequenas empresas!

    PARABÉNS pelo artigo!

  • http://integraagenciadigital.com.br Yuri Castro

    Muito bom. Faltou apenas dizer que pelo fato do mercado estar em alta, muitas Agências pela falta de conseguir dimensionar o que realmente conseguem produzir, acabam pegando mais trabalho do que deviam e logicamente ou não entregam ou atrasam a entrega. Isso também ocorre pelo fato da depreciação do serviço, e o surgimento dos malucos que “tentam” implementar a política do atacado para o ramo de prestação de serviços. Realmente experiência de vida, segurança, maturidade e compromisso fazem toda a diferença nesse negócio.

  • http://www.seteleoes.com.br Mauro Célio

    Ótimo artigo para reflexão, sou freelancer e já tive agência digital, sei bem o que esta sendo discutido no tema.

    Não é brinquedo não….

  • http://www.factorcomunicacao.com.br Marcel

    Excelente post Conrado.
    Ouvir as experiência dos outros que já estão a mais tempo no mercado é sempre bom, pois apimenta o caminho que nós temos para percorrer e buscar sempre está preparado para os novos desafios de empreender.

  • http://Www.agenciadesites.co Geraldo Rosa Leite

    Parabéns pelo Post, foi direto ao real problema que as agências enfrentam hoje, sem viajar, totalmente realista, a solução é difícil, mas não impossível.

  • http://www.vmex.com.br Antonio

    Meu Deus,ao ler a matéria parecia que assistia um filme de minha agência,estou na terceira empresa e os mesmos problemas,você sobe com a experiência necessária expor minhas mazelas .

  • Sylvia Gayoso

    Parabéns , me deu uma visão bem claro dos possiveis obstaculos a frente, ja que estou començando como autonomo na área. Dai pensar em abrir a agencia ou continuar somente com prestação de serviços.

  • http://www.rfalcon.com.br Robson Falcão

    Realmente, disse tudo e mais um pouco. Como disse o joe, terrivelmente REAL. Tá faltando disso em muita coisa no Brasil. Texto compartilhado!

  • http://www.allsete.com Alan

    Sou sócio de uma empresa pequena de marketing digital o que o post coloca para nós aconteceu comigo, pois crescemos, cresceu o volume de trabalhos, cresceu o quadro de colaboradores, cresceu o monte de dinheiro movimentado na conta, cresceu o prestígio, porém no final do mês não dava pra tirar nem o pro-labore muito menos sobrar algum na conta. Dei um passo pra trás, e posso caminhar pra frente agora, engraçado, mas hoje tenho menos trabalhos, eu o sócio e mais um bom colaborador, movimentamos um montante menor, porém no final do mês, o pro-labore está garantido e com sobras e ainda sobra um na conta. Engraçado, mas vale a pena refletir.

  • JCS

    Conrado, gosto muito de seus artigos. Parabéns! Eu sou empresário e usuário e não agência ou provedor de serviços de informática e/ou de marketing. Acho que a “mecânica” (a parte técnica propriamente dita) de se fazer um site, logo, logo, vai ser do domínio público em geral, assim como hoje é de domínio público e fácil se postar textos e fotos no Facebook, no Twitter, etc. Esta bolha de jovens especialistas em informática, também passa… Qualquer pessoa com alguma inteligência vai poder montar a parte mecânica de um site, até por que já é possível escolher-se templates praticamente prontos, preenchendo-se os claros. O que vai continuar a ser importante e de conhecimento de estudiosos e profissionais do ramo é a montagem do xadrez estratégico de como se apresentar ao mercado, quais diferenciais oferecer aos clientes e como levar a mensagem até eles, enfim, exatamente o que o marketing tradicional sempre buscou e continuará a buscar, ou seja, trazer potenciais clientes para o serviço/produto, fechar a venda e manter o cliente feliz para recorrências. Ninguém vai reinventar a roda (que antes era de pedra, de madeira e agora será com material mais sofisticado, como nos carros de Fórmula 1 e em aviões)… Quanto à mão de obra, existe uma lei que ninguém até hoje conseguiu revogar e nem sequer alterar: a lei da oferta e da procura… Ou seja, num horizonte curto, de mais ou de menos anos, isto também vai se ajustar ao seu ponto de equilíbrio natural. O processo de ajuste é tortuoso, mas não é eterno. Parabéns, mais uma vez, pelo belo artigo…

  • http://www.mindbr.com.br Luiz Lobato

    Excelente o texto! Dura realidade vivida por todos nós. O texto veio em um momento providencial para nossa empresa. Parabéns mais uma vez Conrado!

  • http://www.joanizabrantes.com.br Joaniz Abrantes

    Excelente post, achei muito interessante. Trabalho como freela a uns 4 anos com desenvolvimento web, e estou começado a oferecer o serviço de marketing digital agora.

    Já tenho minha EUGÊNCIA (em breve DOISGÊNCIA) montada e com CNPJ e tudo mais, e por enquanto a meta é trabalhar ainda do home office até ter um volume grande que justifique ter um escritório e funcionários.

    Começarei o meu curso dos 8P’s na segunda dia 03/12 e vou entrar no mercado com força total.

    Forte abraço a todos!

  • Angelo

    Pessoal, acho que o caminho talvez seja realmente a união de todas as agências. Deixar nossos “submundos” e compartilhar o que sabemos e dizer o que não sabemos e quem sabe criar uma comunidade engajada em melhorar as pequenas e médias agências digitais desse tão grande e vasto Brasil. Eu tô super afim, alguém topa? Vamos arregaçar as mangas ou mesmo rasgá-las. Tirar ou vestir a camisa, vencer o orgulho e as indiferenças? Vamos lá?

  • http://www.hugofelipe.com Hugo

    Excelente Post.

    Uma dica para quem está pensando em abrir uma empresa é: Saber fazer site, loja virtual, design… não é suficiente para abrir uma empresa. Para abrir uma empresa é necessário ter o conhecimento em administração de empresas.

    Vivemos em um pais mediocre que não dá oportunidade nenhuma para pequenos empresarios. O micro e pequeno empresário brasileiro que sobrevive é um verdadeiro herói.

    Pense muito antes de abrir uma empresa. Faça todo o possível para trabalhar como autonomo o maior tempo que conseguir. Não é vergonha alguma trabalhar dentro de casa desde que a qualidade do seu trabalho seja excelente. Lute muito para não abrir uma empresa, lembre-se que você terá de dar 30% ou mais do seu lucro ao governo e nunca mais terá retorno sobre esse valor.

    Quando precisar tirar nota para um cliente use o MEI (micro empreendedor individual portaldoemrpeendedor.gov.br).

    Busca o máximo de capacitação possível. É necessário muitos conhecimentos para gerenciar um negócio.

    E além disso procure ser feliz! Abraço e boa sorte.

  • Stênio Rodrigues

    Excelente!

  • http://www.aldabra.com.br Daniel Jacobsen

    Realmente, parece que o Conrado conviveu um tempo aqui dentro para escrever esse post. Parabéns, muito bem dissecado mesmo o nosso negócio e concordo com você. O grande segrede é descobrir como resistir ao mercado que insiste em nos atrapalhar. Se resistir, crescemos e então conseguiremos colher os frutos. Mas crescer é arriscado, então prepare-se.

  • Naldo

    Ótimo post. No momento eu tenho uma “eugencia”. Mas com toda essas informações me sinto mais preparado para encarar tal responsabilidade.

    Parabéns Conrado, que Deus abençoe pelo esforço de divulgar seus conhecimentos tão generosamente.

  • http://www.elaboramidia.com.br Rafael medeiros

    Eu tenho uma agência sem fins lucrativos….. adorei o post

  • http://www.mauricioprogramador.com.br Mauricio Programador

    Olá Mestre Conrado,

    como sempre genial, a questão da valorização passa exatamente pela explicação do que é “sbrifs”, quanto mais números mostramos ao cliente dos benefícios e lucros que ele vai alcançar com um bom “site”, maior será o valor do nosso serviço, para isso sugiro que comprem o livro 8ps ou façam o curso do Conrado, é excelente.

    Grande Abraço.

  • http://agenciaodisseia.com.br Rafael

    Bom ver que não estou sozinho espero muito passar desse período de “doisgência”.

    Ótimo post!

  • http://www.agenciavirtualmix.com.br Isis

    Conrado, seu post ilustra a dura realidade dos guerreiros que partem para o marketing digital e querem ter uma agência séria e competente que entrega o que promete. Educar o mercado é a questão chave e dá resultados. Gera valor para nossos clientes e diminui a ansiedade deles. Já pude comprovar isso, rsrs. Tenho uma “Doisgência” mas, em breve, vamos nos tornar uma agência de verdade! Obrigada por partilhar seus conhecimentos e ser uma fonte de inspiração para todos nós!
    Abraços!

  • Gabriela

    Ótimo post, acho que quase tudo se encaixa nas agências web brasileiras. Só esse salário inflacionado que ainda não chegou aqui no interior… haha, parabéns Conrado!

  • http://www.desconstruir.com Alessander Raker

    Passamos por todos esses problemas que a meu ver só serão solucionados quando apresentarmos o valor do nosso serviço de forma simples.

    Eu particularmente quero desenvolver produtos digitais pois viver de serviço sempre será um entrave para o meu progresso.

    Estou pensando em investir mais na minha carreira como consultor do que na agência em si.

    Quem sabe teu curso não me faz mudar de idéia (ou apenas confirmar a minha idéia)…

    Em suma: o seu curso será imprescindível para o meu progresso.

    Um abraço amigo Conrado

  • http://floricultura.emp.br/ Noel Reis

    Muitas vezes o empresário pensa que sua empresa está crescendo quando na verdade ela está com um grave problema de “saúde”. Coloca-se pseudos profissionais para “tampar buracos” sem perceber que estamos abrindo “buracos” ainda maiores, principalmente no caixa.
    É bom se ver com olhos de administrador se sua empresa está crescendo ou “inchando” se a última opção for a realidade existem dois caminhos, você faz um tratamento urgente ou a “morte” lhe alcançará.

  • http://www.agenciadigital.org Agência Digital

    Assino embaixo, post excelente. Já me inscrevi no curso, acredito que nossas agências precisam repensar algumas rotinas e procedimentos…

    Aleksander

  • http://www.rendah.com.br Roxana Varela

    Vou compartilhar pros meus alunos do curso que ministro no Comunique-se: “Como montar e gerir uma agência digital”. Abs.

  • http://www.vidamental.com.br Hewdy Lobo

    Parabéns Conrado!
    Não só o mercado web, mas qualquer um tem dificuldades todos os dias e o brasileiro é campeão mundial de superação e com isto vamos em todos os segmentos lutando contra adversidades. Como tomador de serviços web animo todos que trabalham neste mercado, pois não vivemos mais sem Vocês e recomendo a todos fazerem Cursos como do Conrado e terem uma agência para cuidar da imagem na web.
    Abraço.
    Hewdy Lobo
    Médico Psiquiatra Forense
    São Paulo – SP.

  • Jacob

    EXCELENTE artigo, já devidamente compartilhado! Uma realidade de mercado fria, mas bastante sincera e realista. Tenho uma “doisgência” e estou passando exatamente por estas dificuldades – principalmente quando você é atendimento, administrador e desenvolvedor ao mesmo tempo.
    Ouvi outro dia de um amigo, que é dono de uma agência com 15 anos de mercado, que “o mais difícil hoje é conseguir vender o trabalho, para fazê-lo há soluções”. Não sei exatamente se é uma deficiência dele, mas meu caso é o oposto! Eu sei vender bem meu trabalho e todos as reuniões que participei se converteram em negócios, mas encontrar profissionais competentes e responsáveis para dividirem comigo a parte de produção que se tornou o maior desafio…
    Uma pena, pois existe sim um mercado àvido por Marketing Digital de qualidade, e alguns inclusive – surpresa! – dispostos a pagar. Juro!

  • Masayuki Itaya

    Parabéns pelo post. Você colocou o dedo na ferida. Valeu

  • http://Naotem Airton t dasilva

    Eu procuro trabalho que eu possa digita materia texto artigo e ser pago pelo trabalho eu adoro escreve me ajude aruma trabalho se vc nao precisa deve sabe de alguem que precisa do meu trabalho .obriogado.

  • http://www.erostech.com.br Eros Gaspar

    Estou nessa situação de “eugência” creio que pelos clientes não entender o valor do serviço a ser prestado.

    Essa falta de valorização se dá principalmente pela falta de conhecimento, e essa culpa da “falta de informação” eu divido com os próprios clientes que não se interessam em buscar o mínimo de informação e com outros profissionais que assim como eu, estão falhando em ensinar aos clientes o que é marketing digital, de agora em diante vou utilizar mais as técnicas de content marketing, também vou mudar mudar meu modelo de negócio e vou passar a vender serviços em vez de vender site, e o site vai ser apenas um item dentro de uma pacote de serviços.

    Gostaria de saber como e quando “educar” os clientes, vou ensinar na hora da apresentação da proposta? vou ensina-los através do meu blog?

  • http://www.tribodigital.com Jordelio

    Parabéns, foi muito feliz nas palavras, estamos vivendo exatamente isso na Tribo Digital, estamos em busca de SOLUÇOES.

    Um grande abraço.

  • http://www.cartoesegrafica.blogspot.com.br Ary Costha

    Caro Conrado, parabéns mais uma vez. O que eu observo todos os dias dentro das minhas limitações e modéstia visão, é que o Brasil tem algumas pragas terríveis, filhas – primas – irmãs da falta de educação, pode até sei um fenômeno regional, mas desconfio que infelizmente possa ser nacional. Alguns exemplos; como vender algo valioso, que o cliente não conhece, mas que ele afirma conhecer, não quer explicação, ou pior, não conhece nem quer conhecer? outro exemplo; como oferecer uma nova tecnologia, apresentar um novo paradigma para alguém (muitos) que já se sentem o supra sumo do conhecimento e nada mais querem saber? Como erradicar comportamentos herdados da época colonial, tais como: não respeitar horários pré agendados, não respeitar contratos pré estabelecidos? Avaliações baseadas em aparência/status, cálculos baseados em horas trabalhadas e nunca na qualidade do trabalho, preferências pelo trabalho com alto QI (quem indicou) ? etc, etc, etc Caro Conrado…

  • http://www.emersonpereira.com.br Emerson Pereira

    Eu sou a tal EUGENCIA, da história e por ter escolhido esse caminho decidi focar somente na área de serviços.
    Assim posso administrar quase tudo sozinho (Conteudo do Site, Adwords, Facebook e Analytics) e gerar um ROI satisfatório a meus clientes.
    Além disso para garantir a minha lucratividade, percebi que deveria apenas propectar clientes onde pudesse gerar um ROI tão alto de modo que meu trabalho seja apenas 5 ou 10% do faturamento dele.
    Dessa forma o cliente paga meu trabalho mensalmente sem reclamar pois sabe que o lucro é certo e que não está arriscando dinheiro.
    Fica a Dica: O Pessoal da Área de serviços sendo PME detesta riscos.

  • Maria Laudicéia

    Puxa, gostei muito dessa análise, principalmente quando fala sobre salários. O mercado cria monstros ao supervalorizar o trabalho técnico em detrimento da experiência. É loucura forjar o caráter desses profissionais maquiando-lhes o ego com tons dourados?

  • Maria Laudicéia

    Puxa, gostei muito dessa análise, principalmente quando fala sobre salários. O mercado cria monstros ao supervalorizar o trabalho técnico em detrimento da experiência. É loucura forjar o caráter desses profissionais maquiando-lhes o ego com tons dourados.

  • http://www.tecmedia.com.br Eder Cachoeira

    Olá Conrado,
    Em primeiro lugar, parabéns pelo post.

    Sou proprietário de uma agência de digital com quase 16 anos de mercado. Fundei a empresa em fevereiro de 1997.
    Tenho formação técnica em Ciência da Computação e não fiz nenhum tipo de planejamento quando abri o negócio. Tentem imaginar como foi iniciar a “venda de sites”, em uma cidade pequena, em 1997…

    Vivi (e ainda vivo parte deles) todos os desafios que foram citados neste post e realmente não há uma receita ou fórmula mágica para que uma agência digital “dê certo” ou sobreviva sem problemas. Planejamento, Organização, Profissionalização, Valorização, são alguns pontos para serem levados à sério antes de entrar nessa “aventura”.

    Nesses quase 16 anos de empresa, passamos por 4 grandes crises (financeiras), ou seja, em média, uma a cada quatro anos. Os motivos? Vários… O que importa (teoricamente) é que, mesmo após quase quebrar 4 vezes, estamos vivos. Valeu a pena? Também é relativo. Depende de quem está na linha de frente, neste caso, eu.
    Posso dizer que não valeu a pena se analisar somente o retorno financeiro. Mas posso dizer que valeu muito a pena, se analisar o conhecimento e a experiência (impagáveis) que adquiri durante esse tempo.

    Acho que o caminho para resolução dos principais problemas enfrentados pelas agências digitais, citados pelo Conrado, passa pelo Amadurecimento gradativo do mercado (clientes e profissionais), pela União e cooperativismo das empresas (depois que algumas engolirem boa parte do ego) e pelo Compartilhamento de experiências enriquecedoras (assim como esta iniciativa do Conrado).

    Um grande abraço à todos!

  • http://www.gestaocriacao.com Denis

    Olá mestre!! Em primeiro lugar dizer que te chamo de mestre pois é um especial!! Estou tentando dar inicio a minha agência, estruturando alguns processos, negociando uma sociedade e buscando conhecimento, sempre… Já tinha ouvido um podcast seu sobre seu início na Publiweb, e o achei mais motivador que o post acima, mas o post não é menos interessante e importante. Esta será a segundo nascimento de meu negócio, a primeira vez foi através de uma franquia de marketing digital, onde vi a possibilidade de dar início a um negócio promissor, mas infelizmente sucumbi em meio a diferentes dificuldades e fraquezas internas. Mas aí nasceu minha paixão pelo tal do marketing digital. O impulso de empreender sempre fez parte de minha pessoa, fui atrás, me formei em administração em marketing sempre focando ter meu negócio próprio… Confesso que tomei um banho de agua fria ao ler este texto, mas não posso negar sua veracidade, pois trabalho numa empresa de softwares na área de suporte e os pepinos relacionados a parte tecnológica são grandes. Mas enfim minha estratégia hoje relacionada a agência será investir o suficiente, estruturar uma prospecção comercial constante e investir o que entrar de grana no negócio. Como já trabalho, terei como me sustentar e o tempo livre usarei para a eugência…Conrado parabéns o empreendedor deve ouvir o lado negro da força, pois não se vai para uma guerra achando que não vai sofrer danos. Ao meu ver só existe uma caminho a seguir, trabalho, criatividade (muita) e foco em metas financeiras (principalmente). Se não houver retorno financeiro já era. Abrações mestre, já estou pensando no plano B após ler o post.

  • http://michelevieira.com.br Michele Vieira

    Ótimo post!

  • Pericles Souza

    Poderiam fazer um filme com isso, porque é incrível a semelhança com a realidade. Ri e chorei lendo a minha vida neste post.

    O mais complicado é que tentamos ajudar o cliente a trilhar o que é novo assumindo os riscos por ele; faz pouco caso e chama o sobrinho que “mexe nos computadores”.

    Concorrência? preocupa quando ele abaixa o preço e a qualidade do serviço ao ponto do cliente ter uma má experiencia e nunca mais querer saber de ecom ou midias sociais.

    Entretanto como sou positivo sempre, vejo que temos de falar mais. Temos de ser amigos para falar o que ocorre em nosso trabalho para sermos lembrados, e ainda por cima conviver com os chupadores de idéias e propostas.

    A vida é dura, mas é boa demais o)

    Abraços Conrado e a todo pessoal que leu e se viu neste post.

  • http://www.ebertferreira.com.br Ebert Ferreira

    Esse Post, assim como os vídeos sobre o assunto irão me ajudar muito a trilhar no mercado digital.

    Obrigado!

  • Bira

    Conrado, reflexão importantíssima a sua! Vou usar sua definição de Estrategista e Ferramenteira para explicar o que fiz.
    Fui sócio de uma “doisgência” de publicidade, antes de trabalhar com marketing digital. Os problemas são muito parecidos, e acho que a concorrência é até pior. A coisa só mudou quando percebi que o valor que estávamos oferecendo era pequeno, pois muita gente já fazia aquilo. A solução que encontramos após muito pensamento e quase falência foi migrarmos no elo da cadeia de valor para uma coisa mais Estratégia e menos Ferramenta, pois tínhamos domínio do assunto. Para os iniciados em planejamento, começamos a oferecer um produto novo para os clientes existentes. Deu certo.
    Quando saí da “doisgência”, que agora tinha mais cara de escritório de marketing do que de agência de publicidade e tinha 5 pessoas, montei minha “eugência” com foco no digital. O que aconteceu foi que fiquei pouco tempo como ferramenteiro e logo passei para Estratégia, pois o próprio cliente percebeu que o valor não estava ali nas ferramentas. Isso não foi exatamente planejado, como da outra vez, mas funcionou.
    Descobrir onde está o valor é fundamental para gerar $$$, não interessa o negócio. Não sei se virar estrategista funciona para todos, pois é necessário uma capacidade de gestão e conhecimento maiores, mas refletir e planejar com certeza ajuda.
    Abraços

  • http://www.corporacaoideias.com.br André Crevilaro

    Trabalhar com a web é uma questão de estilo de vida, estou lendo o livro e é muito interessante o ponto de vista, é como se os problemas fossem o fantasma de Fedro. Antes de mais nada é preciso planejar e muito todos os centavos e passos que deverão ser dados. Ao ponto que profissionais qualificados estão escassos e a tecnologia mais barata, é bom lembrar que o acesso está fácil, é sempre bom parceria, indicações e fluxo de caixa maior também não faz mal. Tratar os outros com respeito e seriedade e tentar ser correto nas suas negociações com os clientes, eles precisam entender que seus negócios na internet tem bônus e ônus e se não aguentam isso, peçam pra sair. Enfim ter um negócio é correr riscos e se houver alguma possibilidade(hard) mínima de calculá-los seria bom. Lembre-se do dublê que vive os maiores perigos para que o mocinho do filme saia bem, sejamos como os dublês vamos saber cair e levantar e lutar. Talvez tenha ido longe nisso, mas estamos em um negócio diferente, vamos planear custos, crescer de maneira cristalizada como Conrado disse; crescer pode ser até a pior coisa que pode acontecer, com um mercado inflacionado de jobs, mas poucos querendo arriscar pra ganhar. Boa sorte à todos e quem quiser está convidado pra visitar meu site! Corporação Ideias

  • http://www.riopretoguiase.com.br César Marcondes

    Achei o post bem interessante por mostrar a realidade, mas acho que num mercado lotado de “sobrinhos” o diferencial é ser o “especialista”. Tenho uma agência de marketing digital e só conseguimos crescer no momento que começamos mostrar nossos cases de sucesso, testes no AdWords e agora estamos no caminho. A minha dica é, seja especialista (estude muito) e cobre o valor que você mereça, não importa o que o concorrente cobre.

  • http://publiweb.com.br Julio Cunha

    Grande Conrado, Como sempre excelente Post!

    Irei contribuir aos que pensam em abrir este tipo de negócio hoje, vou compartilhar minha visão como atual CEO da Publiweb.

    Não pretendo coibir ninguém a entrar neste mercado, creio que ainda há muito espaço para bons profissionais(Pois de sobrinhos está cheio). Mas posso colaborar com aqueles que pensam em o fazer, para que o façam de forma consciente.

    Abrir uma agência digital, hoje, requer na prática um investimento minimo de 1 milhão de reais. NOSSA!!!!

    Isto mesmo, serão 3 anos ou 5 anos de MUITO trabalho, pouco valor recebido e se começar com uma equipe ruim, entrará nesta ciranda logo de cara.

    Portanto irá necessitar de gente qualificada e experiente e de preferência de inicio! Logo no começo.

    Sim, é isto mesmo, precisará manter e bancar o negócios por pelo menos 5 anos, contratar bons profissionais, o que implica em alto custo de mão de obra.

    Prospecção constante! Sim, todos os dias, cada vendedor apresentará um limite de vendas único, este será o limite de crescimento da sua empresa também, novamente corrida dos ratos, mais vendedores custam mais dinheiro, que necessita-se mais vendas, que é preciso mais vendedores.

    Profissional de Atendimento! Estes para digitais, não existem. Atendimento de Publicidade é diferente de uma agência digital, encontrar quem conheça de TI, conheça de Marketing e ainda por cima saiba falar com o cliente, com habilidade suficiente para conduzir o cliente é mosca branca de olhos azuis(PS: Temos vagas também!).

    E não se iluda! Ao termino do contrato, o cliente irá cancelar, ou porque ficou bom(ele não precisa mais de você), ou porque ficou ruim(ele precisa de outro). Alguns diria, por volta de 2% são fiéis, enquanto lhes convir, claro, suba o preço para ver o que acontece?! Fogem.

    Equipe de programadores profissional, se não for de TI, contrate alguêm BOM, MUITO BOM da área que entenda de gestão de projetos, caso contrário, projetos de 200 horas se tornam de 2.000 horas, reduzindo seu lucro a pó, ou mesmo fazendo com que pague para trabalhar, um salário de alguêm assim? Na casa dos R$ 10.000,00 ou R$ 12.000,00 deve encontrar.

    Se não quer dores de cabeça, ou não tem capital, arrume um plano B, vender coco na praia, chinelas “tipo” havaianas, botequinho na esquina, qualquer coisa. Pois é regra no mundo do Capital, dinheiro, faz dinheiro. Neste mercado não é, nem nunca será diferente.

    Foi-se o tempo em que com 4 mil, se abria um negócio deste tipo, esqueça esta idéia, alias monte, mas lembre-se é uma ladeira cheira de obstaculos e termina numa floresta repleta de espinhos a menos que tenha “bala na agulha” para comprar um avião e sobre-voar as dificuldades.

    Vejam a Ci&T, projetos menores que 1 milhão não entram e não é atoa, não existe projeto Simples, é customizado é gerenciável? Então é desenvolvimento de software, que irá vir a ser um site, não é apenas uma pintura feita no Photoshop e exportada para a web.

    O quanto investimos em capital e energia, que foi usado para mudar a curva de crescimento da Publiweb, só o Conrado e nós sabemos! Garanto, não foi nada nada nada nada baixo e nada nada nada fácil! Mas o leão nosso de cada dia continua! Porém, ao menos hoje “sem filantropia”.

    Dica extra: Fiquem atentos a nossa economia também. 2013, não está nada bom para abrir nenhum negócio. Exceto se for relacionado a copa do mundo.

    Fiquem todos com Deus. Um forte abraço;

  • http://www.supermarketingdigital.com.br Cristiano Siqueira

    Foi um dos melhores posts que já li sobre este tema, parabéns Conrado!