fbpx

E-mpreendedorismo mudando um país

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

De acordo com o economista americano Joseph Schumpeter, o empreendedorismo é o que, de fato, move a economia de um país. Se ele estivesse vivo para ver a nova onda de empreendedores que surge em todo o mundo, ficaria orgulhoso de ver que suas observações, bem ou mal, foram seguidas. Empreendedores, seja por necessidade ou por oportunidade, surgem em todos os lugares – no Brasil, como sabemos, surgem mais do primeiro caso do que do segundo. Em outros países onde, por sinal, há muito menos oportunidades do que para nós brasileiros, o pensamento empreendedor está em toda parte.Em 2007, jornais do mundo inteiro alardearam que um garoto prodígio na Índia, Suhas Gopinath, dirige uma das mais renomadas empresas de software. Diz-se “garoto prodígio” porque Suhas montou sua empresa com apenas 14 anos! Isso aconteceu na Índia – um país que até poucas décadas era uma das economias mais atrasadas do mundo, e hoje dá lições de crescimento.Vivemos em um país cuja fama é a de ser um dos mais empreendedores do planeta, de acordo com a maior escola de empreendedorismo do mundo, a Babson College. Se somarmos isso ao fato de que somos o povo que mais navega na Internet e o mais adepto às inovações como nenhuma outra nação, podemos chegar facilmente a um “caldo” estimulante de empreendedores digitais despontando do Brasil para o mundo. Fato que prevejo estar muito próximo de acontecer. Já temos exemplos genuinamente nacionais: Buscapé, Boo-Box e Via6 são só alguns dos que povoam nossa Internet “brazuca”, que começa a mostrar sua cara.

No entanto, uma dificuldade a ser vencida para que o empreendedorismo digital desponte é o tamanho de nosso mercado consumidor. Apesar de a Internet no Brasil ainda ter um baixo índice de capilaridade, as iniciativas para combatermos a exclusão digital estão indo de “vento em popa”. Seja por esforços da iniciativa privada, seja por iniciativas do governo, em 2007 vendeu-se 23% mais computadores do que em 2006 – foram 10 milhões, sendo que 64% deles foram vendidos para pessoas que estão comprando o seu primeiro computador. Em suma, está se formando um enorme bolsão de usuários que vão começar a usar a Internet diariamente, seja ela discada ou não, e que em pouco tempo estarão comprando on-line.

De onde eles comprarão? De todos os lugares e todos os tipos de produtos e serviços que puderem ser oferecidos na rede. Desde serviços de carpintaria online (por que não?) até pura e simples informação, por exemplo, de como se alimentar melhor. Os sites que melhor souberem captar essa parcela de e-consumidores que se forma hoje serão os grandes vencedores desse novo “social capitalismo digital” de amanhã.

A Internet possibilita que qualquer um tenha sua empresa digital por um custo relativamente baixo – tanto de recursos humanos e manutenção quanto de logística ou marketing. Todas as funções básicas de uma empresa podem ser resolvidas com soluções muito simples e bem acessíveis. Basta conhecer as possibilidades que a rede oferece.

A mão-de-obra pode vir de qualquer lugar do país – o “teletrabalho” não é mais uma previsão, é uma realidade. A manutenção pode significar meros R$90,00 mensais para manter um site de comércio eletrônico. A logística fica por conta dos Correios com seu serviço de e-sedex. O marketing? Links patrocinados no Google em que o anunciante só paga valores a partir de R$0,02 quando há um clique em seu anúncio.

Difícil não é. Caro, também não. O que falta, então, ao brasileiro para ser um dos povos com maior índice de empreendedorismo digital, já que o somos nas empresas de tijolos e cimento? A resposta a essa pergunta é uma só: informação. Essa é, sem dúvida, uma das maiores barreiras a ser vencida. O povo não tem informações suficientes de como montar, de fato, uma empresa virtual. Fácil não quer dizer óbvio. O que o Sebrae faz pelos empreendedores de “bricks” deveria ser feito também pelos empreendedores dos “clicks”. A partir do momento em que esse enorme mercado consumidor digital se formar e que “e-mpreendedores” de todos os cantos do país começarem a surgir, com a mesma força com que surgem em diversos cantos do mundo, uma verdadeira mudança na arquitetura do emprego e da distribuição de renda no país se operará.

Eu acredito que a Internet será a grande responsável não só pela distribuição de informação, mas também por uma nova distribuição de renda. O fato de a distribuição de informação estar intimamente ligada à distribuição de renda faz todo o sentido do mundo; afinal, segundo Toffler, “vivemos em uma era privilegiada em que cada vez mais a riqueza é gerada pelo conhecimento, não mais pela indústria ou pela agricultura”. É a famosa “Terceira Onda”. A Internet é a ferramenta do conhecimento e será ela que mudará os destinos de homens e mulheres empreendedores de todo o país rumo a uma nova sociedade igualitária. Schumpeter não estava errado, afinal, só não poderia ter imaginado em que bases isso se daria quase cem anos depois de formular suas teorias.

Pensar Internet – Conrado Adolpho

Para ter uma noção, veja um caso de como um jovem que sofria problema de Ejaculação Precoce, criou um negócio sustentável na internet chamado Ejaculando com Controle e hoje, têm gerado resultados expressivos pela internet.

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram