O que tem do outro lado?

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
O que tem do outro lado

Digamos que você tem um jardim. Um jardim no fundo da sua casa. Tem grama, tem certas flores, tem gravetos. Não é um jardim muito grande, mas de acordo com a sua visão, ele é o suficiente. Porém, o grande ponto disso tudo é que você nunca andou por ele de uma ponta a outra, já que você só apreciava a bela vista que você tinha da onde o avistava.

Dado dia você sente uma vontade enorme de dar uma volta por ele para ver melhor os detalhes que existem ali. Você anda, descobre flores que nunca havia visto antes, frutos que você nem sabia que existia, mas, de repente, você dá de cara com um muro.

Até aí tudo bem, a sua cabeça calculou que ali era o final do jardim. Você volta embora porque chegou ao final, porém você se dá conta que existe um outro muro. Sua cabeça está programada para pensar que tudo isso é normal.

Mas em dada hora você se sente incomodado com aqueles muros e um sentimento de exploração invade o seu peito e você precisa saber o que tem além dali.

O que será que tem do outro lado?

Você não tem uma árvore para escalar e conseguir olhar de longe o outro lado. Então você começa a juntar terra, gravetos, pedras e todo qualquer outro artefato que você consiga ficar mais alto.

Com muito esforço você sobe e consegue se apoiar na ponta de muro e vê o que tem do outro lado do muro que te prende.

E aí você cai…

Mas a partir daí o sentimento de inquietude já te dominou, porque você viu o que tem do outro lado. Lá tem rio, tem árvore, tem pássaros e uma grande montanha. Um sentimento de fuga desperta dentro de você e sabe por quê? Porque um cérebro que se expande nunca mais volta ao seu estado normal.

Agora você está feliz e imensamente grato, pois você, com os recursos que você conseguiu juntar, você pulou o muro e começou a andar por um jardim com uma vista incrível e uma natureza viva. Você anda mais, conhece cada milímetro daquele lugar e, de repente, você bate em um outro muro. Bem mais alto do que o anterior.

Só que agora você já aprendeu a lição, já sabe como pular o muro. Por mais alto que ele seja, você só precisa conseguir os recursos necessários para superar esse obstáculo. A vida é exatamente desse jeito, sem tirar e nem colocar.

Eu me lembro de quando eu quis entrar no ITA…

Eu não tinha todos os recursos necessários para poder passar de primeira, porém eu tinha tempo e força de vontade. Sabia que podia estudar muito, estudar mais do que qualquer outra pessoa no mundo.

E assim o fiz. Estudei por três anos consecutivos, tentando o vestibular e falhando em duas vezes consecutivas. Na terceira eu consegui, entrei no ITA e me orgulhei de saber que eu fui persistente o bastante nos meus objetivos.

Após isso eu pensei, “eu vou lançar um livro”. E assim fiz mais uma vez. Os “8Ps do Marketing Digital” foi um sucesso de vendas, virou um dos livros mais vendidos do seu segmento e foi editado em Portugal. E assim foi acontecendo com as minhas empresas, meu cursinho que quebrou, a minha agência que não deu muito certo e por aí foi.

A minha vida foi baseada em muros, mas eu arranjei os recursos que eu precisava dentro da minha condição de vida e fui escalando cada arranha-céu que a vida me colocava. A minha vontade de ver o que tinha do outro lado sempre me moveu, me move, e vai me mover ainda mais.

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram